.

.

quarta-feira, fevereiro 16

O Espelhinho riscado de Rodrigão



Fonte: http://extra.globo.com/tv-e-lazer/bbb/dr-marcelo/
Por Marcelo Arantes, o Dr. Marcelo BBB8


Pela Classificação Internacional de Doenças, o Transtorno de Personalidade Narcisista é caracterizado por tendência à grandiosidade, necessidade de admiração e dificuldade em responder afetivamente à demanda do outro, mas apenas a si próprio.
Para diagnosticarmos alguém com tal transtorno é necessário um prejuízo evidente para o sujeito, além de critérios técnicos que devem ser preenchidos. Do contrário, mesmo diante de evidências aparentes, não constitui por si só uma patologia, e dizemos apenas que o indivíduo tem "traços narcisistas".
Já na metade do percurso, o "BBB11" tem em Rodrigão, o paranaense bonitão de boa popularidade, um dos seus favoritos, e o público vem tentando decifrar qual o seu mistério. Logo no início ele chamou a atenção dos concorrentes por "não olhar para ninguém" (no sentido de desejar), e muitos acreditam piamente que ele é gay. Outra parte da audiência o viu como excessivamente vaidoso e individualista, um objeto de decoração pouco interativo, insensível aos dramas pessoais dos concorrentes que florescem no confinamento.
De fato, o narcisista tem pouca capacidade para perceber os outros e por isto leva uma vida emocional superficial. No BBB11, por exemplo, Rodrigão se mostra predominantemente solitário, e amarra outra característica narcísica (a "exploração"), vinculando-se apenas a quem acredita ser tão especial e grandioso como ele, para tirar vantagem deles a fim de atingir seus próprios objetivos. No caso, os participantes Maurício e Diogo, que já foram "aprovados" por voto popular e contam com a expansividade excessiva que falta a Rodrigão em quantidades mínimas.
No mesmo contexto, um envolvimento com a miss Adriana parece ser finalmente interessante, já que ela também sobreviveu a um paredão, e talvez não o prejudique mais no gosto do povão. O longo beijo de língua que ele deu (por iniciativa própria!) na moça após a última eliminação, sem o auxílio rotineiro do incentivo alcoólico das festas, revela a intenção.
Até então, Rodrigão claramente evitava Adriana quando sentia necessidade de fazer sozinho suas poses bonitas para as câmeras. Em festas, querendo mostrar que consegue seduzi-la, cortejava-a até beijá-la, e no outro dia voltava a si dizendo que não estava no BBB11 para namorar. De fato, a "relação" entre os dois só se concretizou por ousadia dela, cuja personalidade é mais forte que a dele, e também tem traços narcisistas. Podemos aguardar uma disputa violenta por holofotes, a menos que aprendam a dividir simbioticamente o palco - e os espelhos.
Percebe-se que, como Narciso, Rodrigão é prisioneiro da própria imagem: não deixa que o toquem para não modificar a aparência. O mito simboliza a vaidade e o drama da individualidade daquele que é insensível ao outro, anula-o por bastar-se a si próprio. Narciso era um jovem de beleza jamais vista, mas insensível ao amor, que desdenhou de uma jovem tão bela quanto ele, até que ela definhasse. Os deuses os castigaram, condenando-o a apaixonar-se pelo seu próprio reflexo numa fonte onde, encantado pela própria beleza, também definhou. Na versão mais antiga, Narciso era homossexual e se apaixonou pelo rapaz que via na água.
A popularidade aparentemente inexplicável do inerte Rodrigão (que equivalente a do participante que venceu "A Fazenda 3", o modelo Daniel Bueno) resulta na verdade da cultura vigente cujas características são crescentemente narcisistas, segundo o estudioso Lewknowicz. "O que se vê é o predomínio do uso da imagem ao invés da reflexão para lidar com a ansiedade, além de um incentivo ao consumismo e ao culto à aparência física."
O risco é inerente à vida. Ao sairmos de casa para as compras, corremos o risco de sermos atropelados, mas se ficarmos, morreremos de fome. Como Narciso, que morre paralisado olhando sua imagem (porque se tocar na água ela se deforma), a menos que a edição o ajude, Rodrigão poderá levar o prêmio às custas de um personagem ornamental, pateticamente vazio, e irrelevante para a história do "BBB".