.

.

segunda-feira, março 26

Turma da Selva tenta entender por que não chegou à final



Na próxima quinta, termina mais um “Big Brother Brasil”. E entre os finalistas na disputa pelo prêmio de R$ 1,5 milhão não sobrou um representante da Selva. Ao longo da 12 edição do reality, eles foram eliminados, um a um. Em contrapartida, a turma da Praia — mesmo não tendo protagonizado os melhores momentos dentro da casa — conseguiu virar o jogo a seu favor e chegar sem grandes abalos à reta final. Mas quais foram os tropeços cometidos pelos selvagens que fizeram com que eles ganhassem apenas a reprovação do público? A poucos dias de se conhecer o mais novo milionário da praça, Ronaldo, Laisa, Rafael, Renata, Yuri e Monique — sempre cheios de jogadas mirabolantes — tentam entender onde vacilaram.

RAFAEL
“Eu errei em não medir a força das palavras que usei nas discussões. Devido ao estresse do confinamento, em um dado momento, eu já não conseguia mais ser simpático, pois já estava de saco cheio. Talvez, se tivesse formado um casal com a Monique, conquistaria mais o público. Mas o sentimento que tive por ela foi de irmão.”

RONALDO
“Acredito que a Selva tenha errado um pouco no que foi chamado de combinação de votos, isso foi mal interpretado. Porém, nós movimentamos o programa. Falta emoção, ação e empolgação à Praia. A Kelly, por exemplo, passou despercebida. Até a edição do ‘BBB’ brincou que ela é uma plantinha. Só que eu prefiro ter saído do que ter sido uma mosca morta para permanecer no jogo.”

YURI
“Errei no começo, por querer jogar demais e, no fim, por me esquecer de jogar. Na briga com o Jonas, eu também me irritei facilmente pelo esgotamento. Mas não faria nada diferente, não me arrependo.”

RENATA
“Se tivesse forçado uma convivência maior com quem eu tinha menos afinidade, eu poderia ter ficado mais tempo no jogo. Eu não me preocupei em arquitetar estratégias. Se eu tivesse vivido um romance com Jonas, com certeza teria mais chances no jogo, até porque eu teria uma pessoa na Praia que poderia me defender de votos e me apoiar, mas preferi ser verdadeira.”

MONIQUE
“Erramos ao querer nos proteger. Agimos por sobrevivência e acabamos combinando votos. Isso foi malvisto pelo público. Se não tivesse feito alguns barracos, pode ser que ainda estivesse na casa. Chorei, berrei, gritei e surtei. Acho que a última discussão com Jonas fez a diferença na disputa acirrada com o João.”

LAISA
“Acabei me unindo a um grupo que não estava sendo bem-visto pelo público. Se eu pudesse voltar e fazer algo diferente, teria jogado sozinha. Eu agi da minha maneira. Se tivesse incorporado o papel da donzela indefesa, pode ser que ainda estivesse lá. Mas essa não seria eu.”