.

.

quarta-feira, março 14

Obrigada Super YURI, Valeu Cumpádi!!!


Queria muito ter o dom de ter escrito o texto abaixo, mas como não tenho e gostaria muito de homenagear aquele que eu escolhi para torcer, então “roubartilhei”, com sua anuência, de um querido comentarista do Blog.


“Quando foi anunciada a morte do Super-homem o original, filho de Jor-el em 1993,o mundo reagiu de forma perplexa, como pode o homem de aço morrer?
Afinal ele era aprova de balas, era indestrutível, sempre saia vencedor de seus combates, algo que não entrava na mente humana. Mas ele foi morto por um inimigo chamado apocalipse em uma luta épica.

Super Yuri jamais foi o Super Homem, longe disso, para mim ele era o Super Brazuka, o herói brasileiro as avessas, sem poderes, sem mocinha, fadado a perder em seus confrontos, mesmo vencendo alguns, suas vitorias não eram legitimadas pelas autoridades de seu mundo, com sua fraqueza visível sua morte já vinha sendo anunciada.
A morte do SUPER mesmo anunciada, era algo que ninguém desejava, pelo menos talvez mais do que 50% das pessoas, com ela sentimos o mesmo vazio que foi a morte do filho de Krypton, um sentimento de amor e ódio passou a se instalar no coração das pessoas, talvez não no coração BÃO de muitos, mas em alguns corações é verdade.
O vazio é grande, ele chegou como um zé ninguém, foi taxado de vilão pelas AUTORIDADES como a maioria dos herois em seu começo (BATMAN, HOMEM-ARANHA), foi bandoleiro pintado em verso e prosa pela edição como o grande exterminador da casa, mas ele não tinha sequer arma, nem Cowboy ele era, foi rei da selva sem macaca, sem cipó, e enfim tornou-se SUPER.
O Super tinha a missão de passar por cima das autoridades, de falar na lata para todos ao vivo ou não, os defeitos dos seres perfeitos que ficavam tramando contra ele nas salas escuras e sem justiça, esses sim os verdadeiros vilões dessa edição e da SUA EDIÇÃO, mas assim como durante sua trajetória de SUPER, a força máxima resolveu aprontar mais uma com ele. Já tinham tirado sua mocinha que não o amava tanto assim, tiraram seus poderes, tiraram seu anjo da guarda, talvez por ela ser quase uma capetcheeeeeeeeenha, agora faltava o principal EXTERMINÁ-LO de vez, mas de forma em que fosse ainda mais sentida por ele e seus fãs, o sentimento de que faltou pouco para salvá-lo, só foi preciso 1 alguma coisa por cento de algo para tirar sua graça e a graça de todos os outros 50% que em vão tentaram salvá-lo.
Agora sem o Super, não teremos ninguém para nos defender, vamos ter que apenas seguir os BONS...então que SIGAM ESSES CHAMADOS OS BONS, MAS JAMAIS SEREI UM CORAÇÃO BÃO.


VIVA A DESUNIÃO DA CASA E TODA SUA HARMONIA. “


Pra finalizar, posso dizer que nós SELVAS, fomos felizes, pois torcemos por pessoas reais, com defeitos, emoções a flor da pele, pessoas que se comprometeram com o jogo, errados ou não, e não se esconderam atrás de um personagem.

Posso dizer que votamos, mas votamos muito, por amor, e não por ódio, como fez a torcida Praiana.


YURI, vc me fez rir demais com suas imitações, e também chorei junto com vc, quando chorou.


VALEU SUPER, VOCÊ FEZ A DIFERENÇA NESTE BBB12.


VOCÊ NÃO GANHOU O PROGRAMA, MAS GANHOU NOSSO CORAÇÃO!


AO YURI, COM CARINHO.


Coração